Trabalho-Educação (TE)

Professores da linha

 

Eunice Schilling Trein, Jacqueline Pereira Ventura, Lia Tiriba, Maria Ciavatta, Sonia Maria Rummert e Zuleide Silveira.

 

Ementa

 

Os eixos norteadores desta linha de pesquisa, do ponto de vista teórico-metodológico, são constituídos pela crítica à economia política e pela compreensão da história como produção social da existência, que possibilita a visão histórica da relação entre Trabalho e Educação. Nela procura-se compreender e reconstruir, no plano da análise científica, as diferentes mediações constitutivas dessa relação, abordada a partir do pressuposto de que tanto o Trabalho quanto a Educação ocorrem em uma dupla perspectiva. O Trabalho possui um sentido ontológico, de atividade criativa e fundamental na produção da vida humana e, como tal, adquire diferentes formas históricas, socialmente produzidas, que constituem expressão dos distintos modos de produção da existência ao longo da história da humanidade. Essa perspectiva permite compreender as relações capitalistas, dominantes nos últimos séculos, como resultantes do agir humano e, como tal, passíveis de superação, também pela ação humana. A Educação apresenta seu sentido fundamental como formação humana e humanizadora plena, com base nos valores e práticas ética e culturalmente mais elevados; do mesmo modo, nos seus processos históricos de constituição, também ocorre em formas reducionistas e pragmáticas a serviço de interesses e valores do modo de produção capitalista, que não convergem com seu sentido fundamental de formação integral para todos os seres humanos. Na articulação destas duas práticas sociais: Trabalho e Educação, tal como ocorrem tanto no plano institucional quanto no amplo universo das relações pedagógicas verificadas nas diversas instâncias sociais, como, por exemplo, no âmbito dos movimentos sociais, são estruturados os dois eixos de pesquisa desta linha:(a) Reconstrução histórica da relação Trabalho e Educação e (b) O mundo do trabalho e a formação humana. A partir deles, com base no método da economia política, são desenvolvidos projetos de investigação sobre diversas temáticas, entre as quais destacamos: História e historiografia em Trabalho e Educação; A fotografia como fonte histórica; Políticas de ensino médio e educação profissional, técnica e tecnológica; Trabalho e meio-ambiente; Trabalho, educação e desenvolvimento; Políticas de educação superior, blocos econômico-regionais e internacionalização do conhecimento; Políticas de educação e política de ciência, tecnologia e inovação; Políticas de Educação de Jovens e Adultos Trabalhadores; Reconstituição histórica da relação Trabalho e Educação de Jovens e Adultos; Economia popular e estratégias de sobrevivência; Cultura do trabalho, autogestão e produção associada.

Políticas, Educação, Formação e Sociedade (PEFS)

Professores da linha

Flávia Monteiro de Barros Araújo, Iduína Chaves, Igor Vinícius Lima Valentim, Jésus Bastos, Jorge Najjar, Pablo Silva M. Bispo dos Santos, Valdelúcia Costa e Waldeck da Silva.

 

Ementa

 

Políticas de Educação e Formação de Profissionais da Educação.  Interação entre Formação e Educação na Universidade Pública. Princípios, História e Organização da Educação Brasileira. Educação Superior, seus fundamentos teóricos e relevância social. Dimensões política, filosófica, sociológica e histórica do trabalho docente e da gestão escolar frente às demandas contemporâneas. Memória, Narrativa, Cultura, Imaginário e Ideário Pedagógico. A Epistemologia da Complexidade e a sua (re)ligação com as questões educacionais, sociais e humanas. Teoria Crítica e Educação, Inclusão Escolar, Preconceito, Indivíduo e Sociedade. Infância, Educação Infantil e Escola.

Filosofia, Estética e Sociedade (FES)

Professores da linha

 

Carlos Eduardo Rebuá Oliveira, Giovanni Semeraro, Marcos Marques, Martha D’Angelo e Ronaldo Rosas.

 

Ementa

 

Caracteriza-se pela interface entre temas gerais e específicos da área educacional com estudos avançados da filosofia política, de estética e das questões sociais. Dentre outros objetos de estudo associados à educação e à filosofia, a linha se abre para a apreensão e a análise de fenômenos oriundos da política, da arte e da comunicação, no contexto das relações sociais de produção e de reprodução. Para tanto, considera de fundamental importância dimensionar o sentido ontológico e a perspectiva histórica da atividade humana nessas relações a partir da filosofia da práxis e da teoria crítica da sociedade, suas principais referências teórico-metodológicas.

Linguagem, Cultura e Processos Formativos

Professores da linha

 

Cecília Goulart, Eda Henriques, Jader Janer Moreira Lopes, Luciana Esmeralda Ostetto, Luciana Gageiro Coutinho, Maria Angélica Augusto de Mello Pisetta, Marisol Barenco de Mello, Mylene Cristina Santiago e Zoia Prestes.

 

Ementa

 

A linha reúne pesquisadores que investigam ações e práticas educativas em diferentes instâncias e contextos, tendo como referência central seus sujeitos. As pesquisas realizadas fazem uso de abordagens teórico-metodológicas que afirmam a dimensão estética e cultural e o papel constitutivo da linguagem nas atividades humanas, buscando compreender os sujeitos e seus processos educativosem suas relações com a Sociedade, a História e a Cultura. Os temas seguintes caracterizam os estudos realizados na linha: formação de professores, ensino-aprendizagem, alfabetização, infância, lógicas e autorias infantis, desenvolvimento humano, linguagem verbal e linguagens expressivas, na Educação Infantil, no Ensino Fundamental e na EJA, tanto em espaços escolares como não escolares. Conformando este horizonte teórico comum se encontram os eixos a seguir: a) Processo de Ensino Aprendizagem; b) Processos Formativos; c) Infância e Educação Infantil.

Estudos do Cotidiano da Educação Popular (ECEP)

Professores da linha

 

Carmen Lucia Vidal Pérez, José Valter Pereira, Maria Teresa Esteban do Valle, Margareth Martins de Araújo, Mary Rangel, Nívea Maria de Silva Andrade e Tânia Mara Pedroso Müller.


Ementa

 

Os estudos do Cotidiano têm como centralidade os fenômenos, enigmas e revelações da vida cotidiana dos sujeitos, da sociedade e de suas instituições. Entendendo o cotidiano como cruzamento de múltiplas dialéticas entre o "rotineiro" e o "acontecimento" e considerando sua multiplicidade e fluidez, demarcarmos a educação popular como lócus privilegiado, reafirmando nosso compromisso com os setores historicamente excluídos do processo educacional e social. O que interessa aos Estudos do Cotidiano são os processos através dos quais as micro e as macroestruturas são produzidas e as práticas sociais produtoras da realidade social na sua cotidianidade. Assim, o projeto de escola pública para as classes populares; a formação de professores sob a ótica da educação popular; as lógicas operatórias das classes populares no enfrentamento das desigualdades, bem como suas astúcias e usanças;a cultura, a memória popular, a história recente (e cotidiana) dos movimentos populares; os processos de organização popular e de gestão democrática em sua cotidianidade, assim comoa sexualidade, diferenças e preconceitos na escolaconfiguram os eixos temáticos que articulam nossas pesquisas e nossa produção teórica.

ap-feuff